Competências Emocionais para a liderança de Enfermagem


Competência essencial para o líder de Enfermagem a Inteligência Emocional não apenas favorece seu autoconhecimento, mas também a forma com que reconhece as emoções em seus liderados. Uma vez que compreendemos que somos seres completamente emocionais que estão conectados de forma contagiosa, compreendemos também a importância do líder como um sistema de tráfego emocional.

Quando um líder ao dar um feedback de forma errônea exprime uma emoção negativa como o medo por exemplo, automaticamente essa emoção se alastra para o liderado como forma de contágio, como se fosse um Wi-fi neural operando circuitos neurais paralelos dentro do cérebro de cada um (líder e liderado), assim o liderado também se sente amedrontado e reage ainda mais fortemente a essa emoção.

Quando nos conectamos um uma pessoa de forma efetiva esse circuito de contágio entra em jogo e acontece uma ressonância que funciona como alinhamento cerebral e quanto mais conectadas mais equalizadas as pessoas se encontram o que favorece a empatia e por consequência uma comunicação efetiva.

Esse sistema se dá devido aos nossos neurônios espelhos, que foram descobertos de forma acidental por neurocientistas em 1992 quando estudavam a área sensório-motora do cérebro dos macacos. Giacomo Rizzolatti, neurocientista americano que descobriu os neurônios espelhos explica que eles atuam em nosso córtex pré-motor que comanda atividades que vão da fala e dos movimentos à simples intenção e agir. Esses neurônios são disparados toda vez que observamos os movimentos de outra pessoa como por exemplo quando alguém coça a cabeça e automaticamente tendemos a realização a mesma ação.

Por outro lado quando ensaiamos uma ação por exemplo de forma mental os mesmos neurônios se ativam e por isso nosso cérebro não consegue distinguir o que é realidade ou não.

Por que essas informações são importantes para a liderança de Enfermagem?

Os líderes são automaticamente espelhos de uma equipe e uma vez que ressoamos uma emoção negativa ela se alastrará por toda a equipe, gerando muitas vezes um processo de dor emocional que contribui para a queda de engajamento da equipe.

Por outro lado, quando o líder possui uma agilidade emocional bem desenvolvida ele passa segurança e sensação de pertencimento, uma vez que ele possui uma escuta ativa sabendo separar emoções de fatos, todos de sua equipe automaticamente tende a buscar e espelhar essa mesma escuta.

Os líderes de Enfermagem devem criar um espaço entre suas emoções e suas ações, espaço esse que podemos denominar de "espaço entre o estímulo e a resposta", nesse espaço que damos espaço para o desenvolvimento da agilidade emocional que se caracteriza como uma forma de atender como você está reagindo às emoções e decidir através do seu poder de escolha para aí então colocar em prática o comportamento.

Quando líderes não possuem agilidade emocional muitas vezes reagem fortemente às suas emoções e saem intoxicando seus liderados por como forma de autoproteção. Quando essa toxicidade é produzida gera a dor emocional e a sensação de "não" pertencimento que gera frustação, queda de rendimento até mesmo sensações físicas como uma gastrite, crises de ansiedade e até mesmo a depressão.

Desta forma, a liderança que respeita as emoções de seus liderados além de ser mais efetiva também auxilia como um agente para reverter situações letais no ambiente de trabalho.

83 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo